domingo, 1 de julho de 2012

Sonhos d'água

Tão em mim resguardo
na relva fresca da memória
o rasto dos instantes
que nos queimaram a pele
num mundo sonhado na lua cheia dos dias

quebrámos relógios
isolámos o tempo em moléculas
de luz
rasgámos o nada
de horas vazias

o sol brilhou
em demasia
afogou os sonhos d’água
numa chama esbranquiçada
opaca
sombria.

Brígida Luz
04.08.10

Sem comentários:

Enviar um comentário