domingo, 1 de julho de 2012

Estou Eu Só

Nem sempre invento portas de luz macia e rectilínea
o pensamento pára
e vacila
recolhido na aridez de rios sem leito

estou eu só
e as chuvas de Verão e os olhos
que me ardem de tanto me querer procurar 

olho para trás e pergunto
entretanto
onde estão o sol e os ventos mansos
em que o poema floresceu lençóis de trigais
em madrugadas de linhos brancos

mas o verso afasta-se na fluidez do nada
e só me responde silêncio
no gemido da próxima esquina vazia.

Brígida Luz
29.11.10

Sem comentários:

Enviar um comentário