sábado, 24 de novembro de 2012

Carta a minha mãe



Suspenderia o tempo
nas flores de miosótis em que tecias o azul das tardes
e a limpidez dos teus olhos vertia na minha pele
a luz onde a estrada começava
e crescia
a (en)formar o gesto
e a palavra.


Escutavas os meus cansaços
entre o perto e a lonjura
das minhas assimetrias
e nas tuas mãos de abrigo eu sentia
o tronco da sabedoria
quando às minhas verdades inteiras
tu sorrias
tu sorrias.


Por vezes sabe-me a lodo
a estrada
derrama-se pelo chão a linha do horizonte
consomem-se os dias
por entre a nostalgia da terra molhada.


Ajusto o tempo à memória
e na textura da tua voz
regresso à doçura da casa
no silêncio de um tempo de raízes e regaços
que flutua na poeira dos meus passos
entre as rugas do crepúsculo
e os escombros das esperas.


Brígida Luz

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Eterna nostalgia


Ah, a noite!
inexorável
clamor
da imensa escuridão
que me agarra


torpor
de uma vontade
inadiável
que se apaga.


Brígida Luz

Da simplicidade dos regressos



Caminho por dentro da palavra
e declino-a
no habitáculo do silêncio
onde te sei


[ permanência ]

na sombra lenta das horas.

Na arte do esquecimento guardas
os fios da memória e os restos
do rio em que aninhaste
o desejo
fértil
e vernáculo
de ser mar.


Caminho por dentro do silêncio
e sonho-te árvore
ramos a esculpirem o tempo
e os teus olhos de água
a entrarem por dentro da alma
a lerem na luz
a simplicidade
dos regressos.


Brígida Luz

terça-feira, 13 de novembro de 2012

O lado invisível



Há um lado de mim
que não me pertence. É uma folha invisível
a voar sobre o mar
a olhar a gaivota
que abre a janela aos sonhos da lua
a buscar a verdade
nas frestas do vento
a crepitar memórias
nos olhos do tempo.


Há um lado de mim
que acende a lareira
e aquece as palavras
na casa da árvore da cegonha branca
onde amanhece a alma
quando a noite se deita.


Há um lado de mim
onde o silêncio se aceita
e o pôr do sol se ajeita
no outro lado de mim.


Brígida Luz

sábado, 3 de novembro de 2012

Acabo muitas vezes por voltar




Acabo muitas vezes por voltar
e
a pouco e pouco
por saber de mim.


Dispo-me de distâncias
e olho-me
memória
a esgotar-se na efemeridade
de um tempo de colheitas
de sonhos que sonhei
quando o tempo e eu éramos
entendimento e certezas
e levávamos connosco uma réstia de céu azul
como quem se resguarda
da mutabilidade do silêncio.


Acabo muitas vezes por voltar.
Ao rio sem fim entre o partir e o ficar
à eternidade de momentos
de que só germinaram memórias.


Brígida Luz