sexta-feira, 24 de junho de 2016

A dança dos sonhos

Reinventar no verso a raiz
de um tempo vagaroso
demorado. Dele fazer memória
como audível silêncio
partilhado.

Dar voz à utopia
estender os braços à claridade das palavras
desdobrar esquecimentos
em invisível movimento
metamorfose da luz que me liberta.

Como se a vida fosse um rio
a correr em direção ao sol
roupagens de esperança
círculos concêntricos de partidas e descobertas.

A dança dos sonhos
gestos de dentro perdidos nas esperas.

Brígida Luz
24.06.16

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Sombras de nós



Quando a cidade se faz silêncio
e o olhar uma paisagem de outrora
as marcas exibem histórias
e
de súbito
sentimos que somos grito adormecido.
Ilusória cosmética em que nos abandonamos.

Brígida Luz
23.06.16

sábado, 18 de junho de 2016

Tardia



Chego tardia àquilo
que sempre fui.
Curso de rio traçado
na fluidez de águas inquietantes.

Ergo o poema em palavras inibidas
a descerem de tempos inocentes
ou desenho pássaros no olhar resignado
de uma voz distante. A falar
de portas abertas à lucidez de um nome
que partia devagar.

O silêncio a percorrer mapas de escuridão. Sombras indecifráveis.
A solidão dos rostos que não atravessaram
a linguagem dos muros.

A luz refratada
refletida.
A luz a acontecer
num tempo muito longe daqui.

E eu a chegar
tardia.

Brígida Luz
18.06.16

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Desmemória de [os] deus[es]

O meu olhar de terra
preso ao gesto.
Ao esgar de dor
que sobe a estrada
lento lento.

Terra ventre árvore
perdida de folhas
e de pássaros
seca
de esperas
e de tempo.

Idade
de todas as idades
abraça o ramo
único
que lhe sobra

e o ninho
onde a alma
exausta
segura o fio de luz em que
um dia
escreveu sementes.

O meu olhar de árvore
preso ao gesto.
À mansidão do amor
que vai além da fé
e já não teme a morte.

Sopro de tudo
o gesto
que não pede nada.

Brígida Luz

terça-feira, 7 de junho de 2016

Hoje

Com os olhos puros e águas calmas
estender a duração da cor
deixar ir o coração
no silêncio da lágrima.

Não virar páginas em vão
compreender a estrada
ver a luz mais longe
reajustar os pontos finais.

Brígida Luz
07.06.16

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Tons de terra

Poder explicar as formas densas
que caem das paredes. Tons de terra
a estenderem as raízes das palavras.

A luz
a atravessar as poeiras do silêncio. Partículas
invisíveis a mancharem de penumbra

a folha que seria imaculada. O aroma limpo
da magnólia a transportar um sorriso em fuga. O tempo

doce. Adormecido. No interior
dos afetos mais generosos e sinceros.
A leve respiração do amor.

Os teus olhos de avelã
mãe
a serem o fio de voz
que me segura o olhar.

Brígida Luz
02.06.16