quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Na imobilidade do olhar

Está doente
o poema. De pálpebras fechadas
convoca a melancolia das nuvens
e fala do silêncio como um refúgio.
Um zumbido de memórias
redemoinho interior
a sonhar-lhe as palavras que expliquem
os pássaros que envelhecem amarrados
à extremidade do poente.
Dói-lhe a palidez do tempo
que atravessa as ruas despidas de pólen.
Na alucinação do sol
prepara-se para o voo da noite
ao lugar onde as veias se fundem
na imobilidade do olhar.


Brígida Luz
21.12.16

sábado, 3 de dezembro de 2016

O monólogo do vento

Inventaste um rosto para apagares
o cansaço que alastra na noite
em teu redor.
Nenhum eco cresce das horas
que acendem um mundo
fora de ti.
Estilhaças o tempo
em sílabas inertes
ínfima constelação de pontos imóveis
paredes nuas de uma casa desabitada.
Onde procuras a tua sombra
ou a voz da inocência onde já não existes.
A noite toca o teu corpo sufocado num silêncio
de pássaros encarcerados.

E eu escrevo o monólogo do vento.
A evocar o teu nome
dobrado sobre a distância imponderável
de um opressivo deserto atravessado de medo.

Brígida Luz
03.12.16