sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Quando a voz é um sopro



Afinal
nada há a retomar. Tudo
ficou envolto em pretéritos agonizando

numa folha de poentes.

Perderam-se os aromas frutados
os recursos espirituosos
e a mesa cobriu-se de migalhas

que os passarinhos rejeitam.

Todas as coisas trocaram de lugar
e o sentido delas

[ das coisas ]

debate-se num rodopio
de círculos concêntricos para
não se perder de si próprio.

E entre.tanto
existe a voz. Uma vozinha vítrea
espartilhada
entre reticências e interjeições

incapaz de grave sonoridade
em que afirme a (in)flexão
do presente.

Brígida Luz
15.09.17

Yann Tiersen


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Uma aragem difusa



Os dias a sucederem-se roídos
por buracos insaciáveis
que morrem no papel. Em palavras
que descem em silêncio
companheiras da noite.
Há uma sombra fria na página
talvez o que sobra de um abrigo ou de uma melodia
que entardeceu.

Parecia-me que tínhamos ainda
tanto para nos dizermos sobre o ardor de um voo
ou o grito das memórias. Pergunto-me
_ o que nos traiu? _
Olho os dias que nunca chegarão

e um arrepio surge e apaga o sol
de setembro

nesta mediocridade de linhas dispersas
sobre os gestos do tempo.

Brígida Luz
14.09.17

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Sufjan Stevens


Desnorte

Nem tanto uma noite de encanto
e de espanto.
Há gestos feridos
evitáveis
que rasgam os movimentos e espalham os ventos.
Ressoa ainda uma aparência mordaz
a simulação
incapaz de outra rota possível.
Há a mutilação da palavra
ruídos de sentidos
que as aspas não abrem nem fecham.
A bússola desfeita no ar
sem rumo
e a chuva incendeia conversas
sobre telhados de vidro.
Sinais de dor
maior e menor
vibram ocultos
desnorte
em delírios de morte
antecipada.


Brígida Luz

domingo, 10 de setembro de 2017

Tela de silêncios


Mergulho as mãos nos silêncios do tempo
e em palavras não ditas
reinvento o sentido invisível dos dias
que me olham nos olhos deformados
sem lágrimas de alma aquecida
nem manhãs de sonhos acordados.

Os instantes já não voltam a ser meus
calaram-se nas vozes de outros
afasto-me da minha pele
ao som trémulo de violinos mudos.

Chegou sem aviso a noite escura
uivos da Lua
gélidos momentos
tombados na tela translúcida de sobrepostas figuras
vermelha loucura de aniquilar o vazio
de um olhar desgrenhado.


Brígida Luz
19.06.10




quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Fado ( zinh@ )

Peço um pouco de mim mesma
inda que sem nome seja
algures
tardiamente
mas inteira
vertical
para que o tempo me veja.

É este o tempo que peço.
Tempo sem forma
mas cor
que saiba suportar a dor
e em si mesmo não se perca.

Peço um lugar pequenino
onde não caiba o vazio
ao alcance da saudade
qu', ai de mim, é a verdade
desta vida em desatino.

Brígida Luz
06.09.17

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Percursos

Não são poucas as vezes
em que atravesso as tardes do meu jardim,
_refúgio de ventos e de labirintos_
à procura de respostas.
Nem sempre as encontro.
Aclaro as águas, desteço
fios de lodo, limpo as pedras,
uma por uma. Construo pontes,
dentro de mim.
À procura de respostas. Mas,
nem sempre as encontro.
Então,
colho uma rosa,
_removo uns espinhos_
e coloco-a, harmoniosamente,
na jarra da entrada.

E encho a casa de luz.




Brígida Luz

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Desordenada.mente

Em boa verdade
eu não soube decifrar os signos
que me enviavas numa flor
ou numa pedra
ou num montículo de sementes

de onde destacavas aquela que
_ dizias_
talvez fosse minha
um dia.

Dizias-me palavras leves

[ às vezes lamentos de violinos ]

e os meus olhos despidos
a entrarem crédulos dentro do teu tempo.

O teu tempo.
Oculto num labirinto de fascínios e credos transitórios

cárcere de medos e silêncios
a estruturarem (des)afetos.

Sei agora de um equilíbrio volátil
consumido em marés vazias.

Quando deslizavas as mãos
pelas paredes comprimidas por uma imensidão
de verbos que te devoravam o passado

e te asfixiavam o futuro.

E tudo se atravessa nesta folha morta
nestes parágrafos
sedentos da intimidade de uma crença construída
em janelas viradas à claridade do Universo.

Este poema poderia ser uma prece.

Porque este poema é como um rio a fluir desordenadamente
é a fuga para além do olhar
para além do ruído que corrói os lugares
e os nomes
e a verdade do teu mundo intocável
onde o meu coração permanece.

Brígida Luz
30.08.17

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Sob o silêncio



Quando o reflexo sufoca
no interior das raízes

a palavra comprime-se
repele-se
emudecida pela opressiva desconstrução.

Não existe fala
nem espaço
a apagar a memória dos naufrágios.

Fixamos na pele um sussurro do mar
a metamorfosear o voo baixo dos pássaros.


Brígida Luz
24.08.17

sábado, 19 de agosto de 2017

Muito além de nós


Espero encontrar-te nalgum lugar
em que o tempo nos tome. Em que
nos tornemos parte dele e o que sobre
de nós sejam apenas poeiras

muito além de nós
redimidas por longínquas sementes esquecidas.

Mergulhámos os pés nas águas que corriam

[ lembras-te? ]

redemoinhos de luz eram os nossos
lugares e tempo.

Por que arrasámos as pontes?

Por que empurrámos o silêncio
contra paredes de gelo?

São de pedras e de cinzas
de pássaros e de vento
os caminhos da inocência.

BrígidaLuz
19.08.17

Bon Iver


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Philip Glass


A memória das árvores

Todos os meus dias regresso
ao arvoredo onde guardo as tuas mãos.

O tempo suspende-me os olhos
nos nomes que se esfumam perto
da linha noturna do entorpecimento
dos ossos

quando o sangue quer atravessar
todas as sílabas
de todas as palavras límpidas

e clarear a serenidade das vozes.

E a vastidão deste silêncio azul parece
estender os braços
à força mobilizadora das águas.

Não fora esta lonjura por dentro
das veias
e eu diria que

como se fossem um ínfimo
grão de pó

por entre os dedos me rolariam todas as pedras
atravessadas por sombras e imagens indecifráveis.

Brígida Luz
15.08.17

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Os rostos das palavras



Atropelo-me
no asfalto das palavras doridas
que colidem
sem nexo
à procura da minha lucidez.
Palavras em ruínas
a sobreviver na nitidez
da sépia
a transportar em si
cada aresta da vida
cada pedra arremessada da montanha
em busca de uma trajetória de luz.

Palavras sem voz
a caminhar em círculos
com rostos lá dentro
sonhos
emoção
histórias carregadas de pontos de interrogação.

Palavras que são essência
a procurar o tempo de olhar as gaivotas
a abraçar o vento
a inventar pássaros nas sombras do mar
e deixar o silêncio voar.

Brígida Luz
13.03.12

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Poema de vida inteira

Não há poema de vida inteira.

Há a meia-vida que falta


nas gotas de chuva que escorrem na vidraça

e a outra meia que sobra

nas bagas salgadas


que cristalizam na minha face


baça.



Brígida Luz
29.04.13

segunda-feira, 24 de julho de 2017

De sentido único


Dispersas a luz em movimentos
compassados.
Os lugares a ficarem progressivamente
irreconhecíveis
na descoordenação do olhar ou no
entorpecimento dos dedos.
Vozes anónimas apropriam-se
dos nomes e dos rostos que me decifravam
o azul magoado. Ou os soluços
da pele silenciosa.
Não sei como adormecer o frio
sobre os ombros.
Existe ainda um gesto
breve
nas horas finais de uma superfície
branca.
É talvez um apelo duvidoso do silêncio
dos braços
ou o poema vazio de uma última canção
proibida.

Brígida Luz
24.07.17

sábado, 22 de julho de 2017

Philip Glass


Entretanto florescem os girassóis


A instabilidade dos espaços a desdobrarem
falhas e desabamentos.

[ Versos inabitáveis corporizam
luz-memória a desvendar madrugadas. ]

Mãos cansadas aguardam um tempo de permeio
oculto num ponto de partida
onde o céu me sabia de cor e sonhava as flores da utopia
que tempestades secaram.

Nada sei do mundo
e aprendo com o sol as estações
que se renovam ou o movimento
das sombras que ascendem no horizonte.

Dentro do coração da palavra todas as
chaves serão minhas. O mundo
nasce lá fora alinhado no vento
das manhãs pintadas de fresco. O recomeço das cinzas
ou da viagem da alma
primeira guardiã do tempo.

Brígida Luz
22.07.17

Great Lake Swimmers


quarta-feira, 19 de julho de 2017

A árvore impossível


Atravesso palavras inocentes

num monólogo que quer remover o medo.

Articulam-se por si próprias

não me pertencem

e delas retenho apenas um eco longínquo

que me desdobra na multiplicidade de nomes

consumidos no esquecimento.



Junto-me a mim e suspendo

a reconstrução da árvore impossível que eu

adubava debaixo dos meus enganos.

Coberta de pontos de interrogação empurrados

por um vento amargo para morada incerta.



Sem olhares para trás amarraste-me o corpo

fragmentado em dolorosa invisibilidade.



Sem olhares em frente vais baixar a tua voz



e



pausadamente



podes dizer-lhe que morri.


Brígida Luz
19.07.17

terça-feira, 11 de julho de 2017

Tardia


Chego tardia àquilo
que sempre fui.
Curso de rio traçado
na fluidez de águas inquietantes.

Ergo o poema em palavras inibidas
a descerem de tempos inocentes
ou desenho pássaros no olhar resignado
de uma voz distante. A falar
de portas abertas à lucidez de um nome
que partia devagar.

O silêncio a percorrer mapas de escuridão. Sombras indecifráveis.
A solidão dos rostos que não atravessaram
a linguagem dos muros.

A luz refratada
refletida.
A luz a acontecer
num tempo muito longe daqui.

E eu a chegar
tardia.

Brígida Luz

domingo, 9 de julho de 2017

Improbabilidades


Podia lembrar e esquecer
a casa cheia de noite,
a respiração turva das palavras,
se aprendesse a semear campos pontilhados de sonhos,
nascidos na claridade dos dias.

Podia entender-me
nos gestos que sussurram a minha imagem
nos rios em que me deito,
se não me atravessassem  silêncios irrepetíveis
do tempo inexistente,
no tudo que é o instante.

Queria até beber dos teus improváveis rituais,
se me estendesses um regaço de águas mansas
em preguiçosa avenida de aloendros e garças reais.

Brígida Luz


sexta-feira, 7 de julho de 2017

Siga em frente

Nada do que digo ou penso
tem conteúdo ou função.
Palavras, leva-as o vento
e o que sobra... deceção.

BL
07.07.17

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Ser lugar

Está nos braços de um tempo adormecido
a verdade
da rua onde pulsamos
ou
às vezes abandonamos
os dias em que importaria renascermos.

Porque
há um ponto que nos chama.

Acumulamos enganos
e silêncios instalados

damos a volta à saudade
como se mergulhássemos a vida inteira
no olhar do entardecer.

Vivemos no casulo dos pequenos
nadas

os ombros a tocarem o chão
enquanto dobramos a dor para dentro da pele.

E
há um ponto que nos chama
à procura de um lugar.


Brígida Luz
06.07.17

Lua cheia de saudade


Deixo que o poema sobrevoe a saudade
ressuscito o teu rosto
do tempo
que desistiu de passar.

A meus pés
um abismo de lugares vazios
onde eu sento as sombras
dos sonhos que chamam
pela esperança
pelas luas
pelas dunas
em que a noite se deitou
e se tornou fios de luz
dentro de nós.

Brígida Luz

quarta-feira, 5 de julho de 2017

A mudez dos pássaros


O silêncio escorre pelos sulcos do tempo
rompe os ruídos da noite.
Encaro os espelhos resignados
e arrumo os meus sonhos
de tranças desfeitas e olhares demorados.

Sinto as pálpebras vergadas
às paredes indecifráveis da memória
sílabas confusas estilhaçam
o centro da palavra.

Recorto vultos em páginas
opacas
em busca de caminhos à solta
e raízes ao vento
sementes do pensamento.

Em vão fujo de mim
sem rumo na linha do horizonte
nem céu que sobrevoe a mudez dos pássaros.



Brígida Luz


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Caixas cheias de nada

Desarrumou o tempo e partiu. Desagregou as memórias em pedacinhos minúsculos. Talvez porque, desse modo, lhe fosse mais fácil retirá-las da pele. Dos olhos. Dos braços. Do coração. Assim, desintegradas. Caídas no chão. Lentamente. Uma por uma. Sempre lhe foram um peso, as memórias. Rodeavam-no de pássaros em fuga. Enchiam-lhe o corpo de deserto. Nos olhos, um imenso, infindo deserto. Às vezes, recuperava uma . Ou outra. Polia-a, lapidava-a. Sentava-se numa pedra e, do seu interior, extraía pensamentos simples. Sorrisos luminosos. Tranquilos. Ilusórios. Tranquilamente ilusórios. E eu ficava inteira, dentro da ilusão. Mas, um dia, precisou de partir o tempo. De encher os olhos de pássaros. De estilhaçar o reflexo. E cobrir o chão de vidrinhos pontiagudos. Encheu caixas e caixas de tudo. O chão ficou coberto de vidrinhos pontiagudos. E deixou caixas e caixas cheias de nada.


Brígida Luz
03.07.17

domingo, 2 de julho de 2017

Às vezes, queres chorar


Dentro dos teus olhos há um abrigo
onde o silêncio se desarruma

e nomes, nomes antigos
em busca do prolongamento
das tuas mãos.

Ainda não sabes enumerar
os horizontes onde resistes
à erosão do vento seco.

E resistes. Aos braços inteiros
onde o sangue estremece

ao lugar à mesa em que o domingo
cresce e abre a janela

e deixa rolar o verão
ou respirarem as borboletas.

Assim vives. Assim escolhes
essa luz vagarosa

voltada para dentro das pálpebras.
Às vezes queres chorar
mas os lábios não deixam

esquecidos das texturas invisíveis
e inexplicáveis

de onde irrompem os lugares
e as memórias a que pertencemos.

E por onde silenciosamente caminhamos.

Brígida Luz