quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Desordenada.mente

Em boa verdade
eu não soube decifrar os signos
que me enviavas numa flor
ou numa pedra
ou num montículo de sementes

de onde destacavas aquela que
_ dizias_
talvez fosse minha
um dia.

Dizias-me palavras leves

[ às vezes lamentos de violinos ]

e os meus olhos despidos
a entrarem crédulos dentro do teu tempo.

O teu tempo.
Oculto num labirinto de fascínios e credos transitórios

cárcere de medos e silêncios
a estruturarem (des)afetos.

Sei agora de um equilíbrio volátil
consumido em marés vazias.

Quando deslizavas as mãos
pelas paredes comprimidas por uma imensidão
de verbos que te devoravam o passado

e te asfixiavam o futuro.

E tudo se atravessa nesta folha morta
nestes parágrafos
sedentos da intimidade de uma crença construída
em janelas viradas à claridade do Universo.

Este poema poderia ser uma prece.

Porque este poema é como um rio a fluir desordenadamente
é a fuga para além do olhar
para além do ruído que corrói os lugares
e os nomes
e a verdade do teu mundo intocável
onde o meu coração permanece.

Brígida Luz
30.08.17

Sem comentários:

Enviar um comentário