sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Da simplicidade dos regressos



Caminho por dentro da palavra
e declino-a
no habitáculo do silêncio
onde te sei


[ permanência ]

na sombra lenta das horas.

Na arte do esquecimento guardas
os fios da memória e os restos
do rio em que aninhaste
o desejo
fértil
e vernáculo
de ser mar.


Caminho por dentro do silêncio
e sonho-te árvore
ramos a esculpirem o tempo
e os teus olhos de água
a entrarem por dentro da alma
a lerem na luz
a simplicidade
dos regressos.


Brígida Luz

1 comentário:

  1. A simplicidade de ser Palavra
    Tê-la, sê-la…
    Sonha-la.

    Gostei muito, tua poesia sempre é.

    Beijos

    ResponderEliminar