domingo, 1 de julho de 2012

Nas Entrelinhas dos Dias

Desdobro os meus olhares
sem urgência
os gestos são tardios
talvez equivocados
flutuam numa rede
que balança
de uma tela de sentidos
atracados num cais de reticências

limpo o rio e o frio rasgados pelo vento
mordo o tempo fugidio
escrevo em páginas brancas
que suspendem na memória calendários consumados
nas entrelinhas dos dias

e em frente à nudez do verso
dói-me a mudez do espelho
tatuado em brumas visionárias
entrelaçadas em sombras
vestidas de pássaros e de silêncios.

Brígida Luz
10.11.10

Sem comentários:

Enviar um comentário