sábado, 28 de julho de 2012

Miragem



Foi como se o teu sorriso trouxesse nos lábios
os sonhos da lua
instantes quentes de uma verdade
que tens para me contar

não sei o que fazer com esta vontade
que me é estranha
mapeada de pontos de interrogação

invento uma tela em branco
em que teço os passos leves
de uma aragem de loucura
num tempo
que não é meu nem teu

quisera eu de horas ser escultora
sorver o momento
libertá-lo da sua temporal sujeição

penduro no meu chão
a porta entreaberta
fecho à chave o teu nome
e despeço-me
só desta vez... mais uma vez.

Brígida Luz

1 comentário:

  1. O tempo escorre-nos por entre os dedos, mas as marcas são telas com as tonalidades dos nossos anseios e medos...
    Belo, Brígida!

    Beijo :)

    ResponderEliminar