sábado, 30 de junho de 2012

Tília

Não trago comigo mais do que
o gesto inábil de artesã de nenúfares.

Exilada pelo silêncio das sombras
colho o sussurro dos ventos
como quem burila o primeiro diálogo das neblinas.

Ao tempo nada mais cabe do que
passar.
Sem nada esperar de definitivo e
como quem intenta um tempo de prodígios
enterro as minhas mãos
para decifrar o lugar exacto onde a terra segura as águas
e a luz que invento me anuncia as nascentes dos oceanos.

Nada mais me cabe do que
cuidar
como a quem nada mais pertence do que
podar a ramagem da tília que plantei ao rés da casa
e adubar os meus fascínios neste chão.

Brígida Luz
23.05.10

Sem comentários:

Enviar um comentário