sexta-feira, 16 de junho de 2017

No branco que sobra

Pintura de Bridget Tichenor


Num emaranhado de cores escrever
um outono iluminado
a claridade
sem o peso do que foi dito.
Ser uma só fala
um sopro a alinhar a palavra
sem mãos salgadas.
Ser gesto urgente
folha
vento incandescente.
Ou talvez um pouco de tudo
rotação translação
força centrífuga
a vida
para além do corpo.
Num tempo improvável
recuperar texturas de ausência
nomes eternos
fragmentando cardos indecifrados.
Num movimento de asas
atravessar a fluidez do silêncio
ou a memória da luz.

No branco que sobra.

Brígida Luz
16.06.17

Sem comentários:

Enviar um comentário