terça-feira, 10 de novembro de 2015

Tudo está aí

Reter o tempo na janela
virada a sul. Tudo está aí

na luz recuperada dos velhos outonos
em que o corpo amadurou.

Demorar o olhar sobre as promessas
breves e frágeis

submersas entre o cheiro dos eucaliptos
e o sabor das amoras silvestres.

Atravessar as grandes verdades
que cabiam
nos sussurros dos ventos da infância

a repartir com os pássaros as certezas
que só eles compreendiam.

E em silêncio
no leito de um rio só

intenso e vasto

deixar que as águas todas se refaçam.

Brígida Luz
10.11.15

1 comentário: