quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Por dentro do encantamento das memórias

A sombra presa à solidão da árvore
tão vazia
tão despida de folhas.

A terra adormecida a entrar-me nos ossos.

Mas as palavras voam
vibram nos dedos quando o silêncio me dói.

E um dia hei de dizer-te da luz definitiva
que habita o coração do poema.
O lugar exato
onde o tempo ajusta brisas e searas
e o poente adormece
sob a tranquila respiração dos silêncios.

Hei de dizer-te das ruas
que atravessam horas serenas
por dentro do encantamento das memórias.

Brígida Luz
01.10.15

Sem comentários:

Enviar um comentário