domingo, 22 de maio de 2016

Leves são os cardos

É p'ra ti
que escrevo este regato

superfície de prata
onde correm fragmentos das minhas mãos

a formularem sombras
ou sementes imbuídas de esperança.

Sonhar ainda palavras suspensas
em janelas de primavera

ou a cor de uns olhos
em que o tempo se perdeu.

Se ainda me levassem
as marés
pelos poentes

e as estradas quase sempre
pólen de lua cheia
e horizontes abertos sobre o mar.

Se ainda fosse um rio
a luz
que se abre todos os dias.

Brígida Luz
22.05.16

Sem comentários:

Enviar um comentário