quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Serenamente, o silêncio



Passeio os dias
a curar a acidez dos espelhos. Palavras de água
abrigam sombras transitórias e são
talvez
à vez
degraus de espuma
ou estalidos do tempo.

Crepúsculos de adolescência cantam
a pele do vento
em longínquos horizontes de mar.

Há ilhas de agosto
a soprar a solidão da pedra
em olhos repletos de verdes conformados

a preparar a linguagem da casa
para a jornada seguinte.

Depois
serenamente

o silêncio.

Brígida Luz

4 comentários:

  1. Também gosto dos silêncios partilhados...sinto-me sempre acompanhada. Gosto do tilintar destas palavras. Fiquei com vontade de as cantar...

    Magnólia

    ResponderEliminar