sábado, 24 de agosto de 2013

Estiagem


Lembrar-me-ei de ti
como um azul vagabundo

como a súbita aragem
que transitória passa
sobre a estiagem das coisas.

Tão ilusório
e belo
como o íntimo refluir
da primeira palavra de amor

ou a mútua cumplicidade
de um silêncio.

Brígida Luz

7 comentários:

  1. De um efémero que, talvez por o ser, lembra o voo leve de uma borboleta.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Quando o verso se faz memória
    o tempo torna-se vagaroso
    demorado
    como audível silêncio

    Belo

    Bjo.

    ResponderEliminar
  3. Querida Brígida,

    Há um espaço entre intervalos do tempo,

    uma pausa que guardamos o filme

    das nossas preciosidades...

    Sempre bela a tua poesia,uma leitura

    especial (preciosa) que sempre eu guardo...

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  4. Aromas que ficam, como pétalas esvoaçando na partilha dos silêncios...

    Belo demais!

    Um beijinho sempre amigo!

    ResponderEliminar
  5. E isso é tanto, Brígida!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  6. Já tinha saudades das suas palavras e do eco que elas deixam no meu peito...
    Tenho andado distante...Mea Culpa

    Magnólia

    ResponderEliminar