terça-feira, 7 de maio de 2013

... ou o insustentável cansaço da palavra gasta




As águas desalinhadas
a correrem nos andrajos do tempo
que oscila
suspenso
encharcado
no desconforto das árvores.


A voz rouca do vento
a plantar mitos e luas
sob a melancolia da pedra.


A luz
dispersos fios de sol
em tarde árida
a arrastar um vazio de nada
para dentro do verso.


O silêncio da escrita
ou o insustentável cansaço
da palavra gasta
no inverno tão sem fim
das longas esperas.


Brígida Luz

8 comentários:

  1. O silêncio da escrita traz a tona tão belas poesias! abraços

    ResponderEliminar
  2. a poesia sempre ou quase sempre traz em si,
    o árido tempo...
    o tempo, que corre devagar,e gasta a palavra pelo cansaço,
    a esperança existente,ela que nos faz esperar...

    gosto da tua poesia

    beijinho :)






    ResponderEliminar
  3. Uma escrita compassada, sedutora que nos deixa com vontade que o poema não termine.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Há sempre uma luz

    no outro lado do cais

    ResponderEliminar
  5. Há sempre uma luz

    no outro lado do cais

    ResponderEliminar
  6. Há sempre uma luz

    no outro lado do cais

    ResponderEliminar
  7. A palavra alonga-se em longas esperas
    Dissoluções esféricas na métrica do verso

    "As águas desalinhadas
    a correrem nos andrajos do tempo
    que oscila
    suspenso
    encharcado
    no desconforto das árvores."

    Belo e tocante

    Como sempre é tua poesia

    Bjo.

    ResponderEliminar
  8. A tua poesia tem um tempo único

    Aquele em que ficamos em alma

    No silêncio fértil das tuas palavras...

    Ler-te é sempre uma viagem encantadora!

    Beijinho,querida Brígida!

    ResponderEliminar