sábado, 25 de maio de 2013

A insubmissão do silêncio




Longe de tudo
a insubmissão do silêncio
o azul a escrever o espanto da alma
um grito profético de maré calma
em acordes de tarde faminta de vermelho.

Longe de tudo
o coração a escutar o avesso-barco do espelho
as palavras a traçarem um canto de espuma
a vertigem da luz na memória dos dedos
a calar o pranto das águas.

Brígida Luz

2 comentários:


  1. [dentro

    na corrente do silêncio,
    o alinhado coração da palavra.]

    um abraço,

    Lb

    ResponderEliminar
  2. "a insubmissão do silêncio
    o azul a escrever o espanto da alma
    um grito profético de maré calma
    em acordes de tarde faminta de vermelho"

    Belíssimos versos num poema escrito nos silêncios

    Bjo

    ResponderEliminar