quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Íntima afirmação do olhar

Como se o tempo tivesse parado
no interior do silêncio. Um coração a que as mãos
se agarram
quando as palavras demoram em ruas
de memórias límpidas.
Ao longe
a lua a prometer marés calmas
ou uma doce canção adormecida em dias
de árvore submetida à inclinação do vento.
Abraçar o que cabe dentro de mim
atravessar a névoa que ilude
os lábios
vislumbrar a mutabilidade das coisas
imutáveis
íntima afirmação do olhar.

Brígida Luz
08.12.15

2 comentários: