sábado, 17 de maio de 2014

Degraus do tempo




 
 
Diante de nós
degraus intermináveis de um tempo
a que regressamos.
 
Com as mãos iludimos
a solidão das palavras que vêm de longe
pintamo-las de compromissos brancos
adivinhamos memórias e desertos
dentro do silêncio que se apodera de nós.
 
Perseguimos flores
na queimadura dos cardos.
 
Temos agora a bondade nos olhos
e ao fundo da verdade
penduramos uma tela:
_a fuga dos girassóis.
 
Procuramos abrigo dentro
do fogo de lágrimas irreprimíveis
esperando que delas
possamos sair inocentes
ou redimidos.
 
Brígida Luz

2 comentários:

  1. Estamos sempre a desnascer

    alguns com boas memórias

    ResponderEliminar
  2. Regresso à memória das palavras e do fogo que nos podem salvar... Gostei muito.
    Um beijo.

    ResponderEliminar