sábado, 18 de agosto de 2012

... até encontrar a palavra certa...



Tento dizer de um recomeço
de um tempo que não seja de noite
e os olhos não deslizem pelo silêncio
das paredes
e os girassóis de agosto
não sejam pausas
entre a rotina das coisas.

Continuo a olhar para pontos distantes
atravesso o céu e não vislumbro
de mim um rosto
a minha voz ao longe
memórias de mim
feitas de pormenores importantes.

É inútil falar de ecos
de casas a preto e branco
é preferível calar-me
até encontrar a palavra certa.

Brígida Luz

3 comentários:

  1. Vais encontrá-la, tenho a certeza... a tal palavra certa de que falas. Beijo

    ResponderEliminar
  2. A poesia é a demanda da certa palavra
    O verso é eco disperso em perpetuo recomeço

    Bjo.

    ResponderEliminar
  3. E se a palavra certa for a utopia da procura constante?

    ResponderEliminar