domingo, 14 de maio de 2017

De dias outros


Podias sentar-te ao meu lado
num banco de pedras
ou de papoilas.

Podias abrir o portão
branco
e sentir as raízes a levarem-te
ao núcleo do universo.

Porque é maio
e a magnólia floriu.

Podias colher a papoila rubra
como se quisesses entreabrir o tempo
parede de chuva
e de silêncio desregrado e múltiplo.

Podias soprar-me uma palavra breve
ou então uma sílaba única
como se quisesses erguer-me o olhar
e anunciar-te no ventre da terra.

Porque o tempo é particípio
e a saudade morde o poema.

Brígida Luz
14.05.17

Sem comentários:

Enviar um comentário