quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Moinhos de vento


Deslizávamos por um fio de palavras irreversíveis.

A morte

diziam uns.

Renegação

gritou aquele



que procurou refúgio no interior

do silêncio.



Levámos connosco a chuva de um tempo

que permaneceu

ausente

dentro de nós.



Vivemos mil vidas e



longe de um fio de palavras irreversíveis

desfiámos as frases que ficaram por dentro dos olhos

paradas

a olharem para trás.



O acaso e os afetos a moldarem-nos lugares

em barro de encantamento.



Desenrolámos as veias do tempo



e o verde de uma teia de luz a entrançar dedos indefiníveis

em folhas de impressões digitais



e moinhos de vento.



Brígida Luz

24.08.16

Sem comentários:

Enviar um comentário