domingo, 2 de novembro de 2014

Poema em aberto


Comigo vêm palavras lentas

demoradas

onde o tempo quase para. Linhas claras

a unirem inexistências. A transporem

um espaço vazio

onde o rio se perdeu.



Efemérides

digo-me eu. Na esperança

de que os olhos se fechem num verso brando

e rasguem apenas o clarão da luz

na entrada do horizonte.



Por onde tu sempre passas. Vagarosamente.



Brígida Luz

4 comentários:

  1. Palavras lentas. Demoradas. Por onde passa o silêncio que as guarda.
    Muito belo!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. vagarosas as palavras que nos distanciam

    belo, belo, belo

    ResponderEliminar
  3. Um poema para pousar a cabeça e sonhar!

    Beijo

    ResponderEliminar