sábado, 13 de setembro de 2014

Nenhum lugar


Foto de Mathilde Guillemot
 
 
O apelo da terra à lassidão do corpo

a cair centrífugo

em direção ao estalido do nervo.



A inabilidade das metáforas

no desvio do eixo

ou no pendor dos braços.



Chamas-me e soltam-se

pedaços do tempo

como janelas soluçadas onde encostei a voz.



Dás-me a tarde toda

como um ombro_

_âncora entranhada na solidão.



Os lábios presos

ainda ao deserto imenso dos medos desencontrados.



Brígida Luz

1 comentário: