quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Des.con.figuração


A harmonia das coisas

dispersa no interior dos contornos. Fragmentada

pela mutabilidade



do olhar. O mesmo olhar

que segue o fio do pensamento

até ser o desalinhamento

dos pontos.



Um retângulo em branco.



A afastar-se



fugaz



até ser espaço

sem forma. Início

do abismo.



Partículas errantes

de silêncio.



Brígida Luz

24.09.14

2 comentários:

  1. Olá! Linda poesia! As partículas se agrupam além do triângulo, em busca de novas formas! abração

    ResponderEliminar
  2. A harmonia. O olhar. O espaço sem forma. O contexto do poema aberto à desconfiguração dos silêncios... Muito belo, amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar