quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

A fenda

Foto de JPLuz



Pergunto-me se essa tua
aparência de longe será
somente distância
ou sobretudo ausência

[ por detrás dos olhos ]

no interior de ti.
 
Esvaziámos as palavras dos significados
que nos resgatariam da fenda
no fundo do mar.
Já não temos ninhos
nem barcos de papel, nem pedaços
do tempo
dentro das palavras.

Habituámo-nos a não nomear
os incêndios
e tampouco sabemos se existimos
dentro dos nomes que pronunciamos
para que possamos ficar.


Brígida Luz

2 comentários:

  1. Um belo poema, Brígida Luz.Construiu o poema sobre metáforas sugestivas, que surpreendem o leitor.

    ResponderEliminar