quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Ser o vento


À tua volta
a inquietação dos espaços em branco


e os teus olhos
frágeis
a desenharem passos
impalpáveis


na geografia azul de manhãs perfeitas.

O chão
dorido e gasto


[ a reclamar o sal
da tua pele ]


chora nos teus lábios
o silêncio das colheitas.


Sangras moinhos de vento

[ em gemidos de invernosa luz ]

e o tempo a resistir
às velas desfraldadas.


E todo o meu gesto
quebrado e lento
a raízes amarrado


[ porém, de culpa isento ]

à espera dos teus braços
em antigo movimento
a erguer-me das cinzas invisíveis
das palavras.


Brígida Luz

3 comentários:


  1. Nem sempre sabemos se o que nos inquieta é a ausência do sonho, a solidão dos passos ou o silêncio que cai sobre a pele e a queima sem que a manhã nos acorde.
    Nem sempre sabemos, por isso nos agarramos às palavras.

    Gosto, gosto tanto...

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. As palavras tomarem forma. Uma interessante questão, já mastigada por muitos, mas a conclusão é sempre a mesma: não há regra.
    (Faz parte do caminho de cada um, dar vida às palavras, não é assim?)
    Adorei o poema!

    Beijo :)

    ResponderEliminar