domingo, 14 de outubro de 2012

Promessas


Eis a bruma
longa e turva
habitável solidão das ruas
utopia desmontada
a escorregar-me dos dedos.

Eis a sílaba
raíz prometida
silêncio incompleto
um sopro de vida a desaparecer
dentro da palavra
adiada.

Eis o gesto
acabado de nascer
estranha escuridão envolta
em fogos fátuos
um corpo a dissolver-se
fragmentos de abstrações
num chão de acasos.

Brígida Luz

1 comentário:


  1. E eis a vida
    e este tempo tão escasso
    para escrevê-la.

    Obrigada!
    Um beijo

    ResponderEliminar