segunda-feira, 31 de julho de 2017

Poema de vida inteira

Não há poema de vida inteira.

Há a meia-vida que falta


nas gotas de chuva que escorrem na vidraça

e a outra meia que sobra

nas bagas salgadas


que cristalizam na minha face


baça.



Brígida Luz
29.04.13

Sem comentários:

Enviar um comentário