segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Em letra pequena


Aprender a duração da tarde

sem que no vento

se suspendam as palavras.



Reconstruir o espelho

e

no alvoroço da espera



entrar por dentro do infinito

e recolher no tempo

as rosas prometidas.



As rosas prometidas.



Desfolhadas em sílabas

divididas em hemisférios

de neve e lava.



Uma história a nascer.



Ainda sem um ramo de mar

ou uma rua respirável.



Em letra pequena

mas com cheiros de planície.



E os rostos facetados

do silêncio e da nostalgia.



A escutar as vozes do indecifrável

a cerrar lentamente a luz

que se verte dos olhos



como um rio que não correu.



Brígida Luz

6 comentários:

  1. Uma poesia maior
    que (me) é incontornável
    onde tantas as vezes que me encontro
    na sublimação das palavras e no seu cifrado sentido

    Um prazer te ler

    ResponderEliminar
  2. "Em letra pequena
    mas com cheiros de planície."
    Um Poema em letra grande e com a largueza da planície, onde o eco da voz só se ouve no coração".
    Um beijo e um ano de 2015 Melhor.

    ResponderEliminar
  3. Laimingų Naujųjų 2015 Metų !

    FELIZ ANO NOVO 2015 ! ! !

    GLUOSNIS -Lituania

    ResponderEliminar
  4. Brígida,
    Em letra pequena, pois a sabedoria não tem relações com letra maiúscula.
    Gostei muito!

    Um beijo :)

    ResponderEliminar
  5. Tão belo e expressivo desnecessário seria estar escrito em letras grandes; gostei muito, tanto que aqui vou ficando...
    Dê-me a honra e faças uma visita!
    Abraço.

    ResponderEliminar