segunda-feira, 31 de março de 2014

Súbitas madrugadas




Foto de Denis Lamblin
 
 
 
E talvez hoje me possas dizer

da passagem de uma luz generosa

em que te aceitas vivo e te confundes

com as árvores da manhã.

Caíram sobre o silêncio do rio

súbitas madrugadas de primavera.

E tudo muda, o vento, o mar,

as terras alagadas. És tu a memória

do mundo, a pele das casas caiadas.

És tu o tempo do teu corpo, a raíz da tua

estrada.

És tu a folha branca e a palavra clara

em que refazes o chão onde tudo se aproxima

dos fascínios adiados dos teus olhos.

 
Brígida Luz

2 comentários:

  1. A luia na sua poesia irradia poesia além das palavras! abraços

    ResponderEliminar