segunda-feira, 24 de junho de 2013

Luz




Escrever a luz que eu
sou em cada flor
em cada pedra


ou gota de água.

Ou na quietude
da magnólia
a sussurrar-me p’ra dentro
um aroma branco
acetinado


serenado de entendimentos.

Eu poderia ser
essa magnólia
esta manhã. Porque esta manhã
não há vento
nem nuvens


e é verde-luz
o silêncio
esculpido nos ramos das árvores.


Brígida Luz

2 comentários:

  1. Luz fonte de vida, tal como as palavras, depósito de sentimentos.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Que o brilho da luz, se manifeste sempre na sua poesia!!!

    Gostei muito! Deixo beijinhos...:)

    ResponderEliminar